30/10/2020 às 12h02min - Atualizada em 30/10/2020 às 10h53min

Campeão Europeu ou Campeão Mundial

carlos alberto goldani - stilohouse.com.br

MotoGP é um esporte, um negócio ou um espetáculo? Talvez a resposta mais honesta seja um pouco de tudo. A definição ampla de esporte especifica a prática metódica, individual ou coletiva, de jogo ou qualquer atividade que demande exercício físico e destreza com fins de competição. Sob esta ótica corridas de motos podem ser consideradas disputas esportivas, embora com grande influência dos fatores negócio e espetáculo.



O transporte aéreo é um recurso importante para o sucesso da MotoGP


A pandemia gerou um grande clima de incerteza, com o fechamento de fronteiras por questões sanitárias e o distanciamento social como forma de conter o contágio. Um dos setores econômicos mais impactados foi o transporte aéreo, que enfrentou restrições em diversos países por facilitar a disseminação do vírus. Sem a liberdade de viajar, um mundial ficou inviabilizado e para manter a MotoGP os organizadores optaram por uma abrangência geográfica restrita.

A Honda comemorou no último fim de semana a vitória número 800 dos 3182 GPs oficiais já disputados em todas as classes, o impressionante índice de 25% das provas disputadas. Uma história que começou em março de 1954 quando Soichiro Honda, o fundador da empresa, intuiu que vencer o GP da Isle of Man, uma das provas do maior evento de desporto motorizado do seu tempo, permitiria não só internacionalizar sua marca, assim como contribuir para o desenvolvimento tecnológico do Japão. A MotoGP é uma forma de estabelecer e impulsionar negócios.


Jaume Masiá, da Moto3, conquistou a vitória nº 800 da Honda em Motorland (Teruel)

Dorna Sports é uma empresa internacional de gestão e marketing esportivo sediada em Madrid (Espanha) que desde 1992 obteve da Federação Internacional de Motociclismo (FIM), o único órgão com autoridade de organizar campeonatos mundiais de motocicletas, os diretos exclusivos comerciais e televisivos relativos ao Campeonato Mundial de Motos. Dez anos depois (2002), a classe principal assumiu o formato atual da MotoGP. Investindo em uma regulamentação que privilegiasse a disputa via equalização de recursos, a empresa transformou a MotoGP em um espetáculo com abrangência mundial. Para organizar um campeonato em 2020 a empresa foi obrigada a ajustar diversos procedimentos, provas sem público privam os administradores de autódromos de uma receita importante, toda a engenharia econômica teve ser refeita e valeu o lema principal dos artistas de circo: “O espetáculo não pode parar”



Marc Márquez se acidentou em Jerez na abertura da temporada

A expressão popular “Desgraça pouca é bobagem” provou a sua eficiência ao acontecer, na primeira prova da temporada, um acidente com Marc Márquez que tirou da disputa uma de suas principais referências. O 6 vezes campeão do mundo estava no auge de sua forma física e técnica, havia completado uma temporada dos sonhos, conquistando 420 dos 475 pontos possíveis em 2019, um feito inimaginável nos últimos tempos. Sem uma referência clara as disputas ficaram em aberto, a presente temporada apresenta dois jovens pilotos em seu segundo ano na principal categoria liderando a disputa, em 11 provas 8 pilotos já venceram, um número muito próximo dos 9 em 18 provas de 2016, ano em que houve uma grande revolução na categoria com troca de fornecedor exclusivo de pneus e obrigatoriedade de uso de uma central eletrônica padronizada.



Regularidade de Joan Mir o levou à liderança do campeonato
 
Joan Mir, que lidera o campeonato, ainda não conseguiu uma vitória enquanto seu concorrente mais próximo, Fabio Quartararo, conta com 3 primeiros lugares e não pontuou em 2 provas. As características desta temporada tem sido a imprevisibilidade, o sucesso de equipes independentes (6 vitórias contra 5 de equipes oficiais) e os bons resultados obtidos por modelos 2019 (Zarco & Nakagami). A Honda melhor classificada no mundial, o modelo 2019 de Takaaki Nakagami da independente LCR acumula 92 pontos com uma versão antiga da RC213V, contra apenas 67 de Alex Márquez da equipe oficial de fábrica com um modelo atualizado. Cinco fábricas classificam seus protótipos entre os Top-10 do campeonato, 3 Yamaha (Quartararo, Vinales e Morbidelli), 2 Suzuki (Rins & Mir), duas KTM (Pol Espargaro & Miguel Oliveira), 2 Ducati (Dovizioso & Miller) e uma única Honda (Nakagami), 5 destes pilotos competem por equipes independentes.

A solução possível para a temporada de 2020 encontrada pelos organizadores para manter as equipes em atividade e apresentar algum retorno aos patrocinadores foi condensar as provas em fins de semana seguidos, repetindo provas em um mesmo circuito. Este recurso contribui para reduzir a mobilidade do staff das equipes, entretanto se as características de um traçado são adequadas para um conceito de equipamento para um concorrente específico, podem resultar em um grande benefício. Houve também uma nova construção do pneu traseiro que exigiu um novo modo de pilotar, não bem assimilado por nomes consolidados do esporte, Andrea Dovizioso tem sido um crítico contumaz, diz que todo o know-how acumulado na carreira tem pouca validade com o novo componente. Valentino Rossi. Uma legenda do esporte, só conseguiu pontuação em 5 das 11 provas disputadas, sendo que nas duas últimas esteve afastado por ter testado positivo para a Covid-19.

Todo o campeonato restrito à Europa e concentrado em pouco tempo causou um problema para os engenheiros. Em tempos normais as provas eram itinerantes buscando sempre uma estação do ano mais favorável. Em 2020 não foi possível, tivemos provas no auge do verão e em outras condições de clima (frio ou calor) que não seriam comuns em temporadas normais. Em uma atividade onde um dos talentos básicos do atleta é a capacidade de manter os pneus aquecidos em uma janela estreita, a temperatura da pista pode decidir o vencedor. Talvez este detalhe explique mudanças abissais de rendimento de Fabio Quartararo nas duas primeiras provas da temporada e em algumas outras pistas como, por exemplo, no Circuito Marco Simoncelli em Misano.



Valentino Rossi & Marc Márquez são os campeões mundiais em atividade

Existem ainda interpretações que a atual temporada, pelo cancelamento de GPs fora da Europa, não poderia ser considerada um campeonato mundial, fato contestado com veemência pelos pilotos com chances de vencer a competição. Há quem diga que, no máximo, poderia ser um tipo de “Champions League” do motociclismo, um título que para equipes europeias de futebol é mais importante que o mundial de clubes da Fifa.

A ausência, pela primeira vez em muitos anos, de pelo menos um campeão mundial da principal categoria em algumas provas justificaria a pouca representatividade do título. Marc Márquez e Valentino Rossi são os únicos inscritos que se enquadram neste requisito. Um acordo entre equipes antes do início da temporada, para baixar custos, impede a presença de pilotos de testes como “Wild Cards” (pilotos convidados), que em tese excluiria a possibilidade de Jorge Lorenzo substituir eventualmente Valentino Rossi durante sua ausência, por estar cumprindo isolamento por conta da Covid-19. Fica difícil entender depois que a Honda substituiu Marc Márquez por Stefan Bradl, porém talvez seja uma maneira de evitar constrangimentos para Rossi no caso de algum excelente resultado do piloto de Palma de Mallorca.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »