04/08/2020 às 19h02min - Atualizada em 04/08/2020 às 18h49min

DesmoDovi

Colaboração de Carlos Alberto Goldani

carlos alberto goldani - stilohouse.com.br

Andrea Dovizioso com uma Desmosedici GP20
 
A versão da história costuma ser contada pela ótica dos vencedores. Os que acompanham os esportes motorizados certamente lembram de uma frase atribuída a Ayrton Senna, “Segundo é o primeiro que perde”. Um exemplo clássico são as interpretações do cinema sobre a segunda grande guerra, uma organização não governamental (ONG) nos EUA, destas que procuram um motivo qualquer para minorias serem indenizadas por ocorrências históricas, realizou um levantamento dos filmes de guerra produzidos nos últimos dez anos. Constatou que cada heroico soldado dos exércitos aliados causou, em média, 16,7 fatalides nos contingentes do eixo (Hungria, Alemanha e Itália) durante o conflito. A indústria do cinema é mais justa em relação à premiação de artistas, existem troféus equivalentes para os principais atores e para os coadjuvantes.

A MotoGP tem os seus protagonistas, que merecem o destaque que ocupam na mídia, porém o espetáculo só é completo se houver um grid composto também por piulotos que não costumam aparecer sob os holofotes. Andrea Dovizioso é um participante do show que dificilmente é reconhecido por seus méritos. Venceu um único mundial, em 2004 na antiga 125cc, é o terceiro piloto na história do mundial de motovelocidade em número de GPs disputados, 315 em 20 temporadas, número menor apenas que Valentino Rossi (404 em 25 anos) ainda em atividade e  Loris Capirossi (321 em 22 campeonatos) já aposentado.

Dovizioso foi promovido para a classe principal da MotoGP em 2008, realizou uma incrível temporada de estreia pela equipe JiR Team Scot, satélite da Honda, foi o quinto colocado na classificação geral e o melhor piloto entre as equipes independentes. Em 2009, no comando de uma Repsol-Honda, conquistou sua primeira vitória no circuito de Donington Park. Em 2012 competiu com uma Yamaha pela equipe Monster Tech 3 e no ano seguinte migrou para a Ducati oficial, onde se encontra até os dias atuais.


 Fábrica da Ducati em Borgo Panigale - Bolonha
 
Fundamental para o retorno da Ducati ao protagonismo da MotoGP, “DesmoDovi” é um piloto extremamente competente, difícil de ser ultrapassado principalmente por sua apurada técnica nas frenagens em aproximações de curvas, é um dos competidores mais éticos e responsáveis nas pistas. Depois de longas temporadas de trabalho em conjunto com os engenheiros e equipe administrativa, em 2017 a Desmosedici GP17 atingiu um alto nível de competitividade e foi consistente durante todo o ano, cujo título foi decidido na última prova em Valência. Nesta temporada Dovizioso conseguiu 6 vitórias, o mesmo número do campeão Marc Márquez, e ficou com a segunda colocação do campeonato.

Márquez e a Honda monopolizaram temporadas de 2018 e 2019, em ambos os anos DesmoDovi conquistou o vice-campeonato. No ano passado Andrea Dovizioso entrou na seleta lista dos pilotos que ultrapassaram o número de 100 pódios. Em sua carreira o piloto obteve 23 vitórias em GPs, 14 na principal categoria, 102 pódios, 20 poles e 22 voltas mais rápidas.

Este ano é a oitava temporada em que o piloto compete pela equipe oficial da Ducati. A fábrica de Borgo Panigale se esforça para repetir os resultados obtidos por Casey Stoner, o único que conseguiu um mundial com um protótipo produzido em seu parque industrial. Os principais fabricantes, Yamaha (Vinales & Quartararo), Honda (Marquez & Pol Espargaro) e Suzuki (Rins & Joan Mir) já contrataram os pilotos para a temporada de 2021, a equipe italiana garantiu a participação de Jack Miller e descartou Danilo Petrucci, o contrato de Dovizioso ainda não foi renovado.

Não tem como saber exatamente a razão de um acordo ainda não ter sido fechado, o que se comenta - certamente porque alguém vazou a informação - é que além de suas relações com o chefe da equipe Gigi Dall’Igna não estar nos melhores dias, o piloto quer desenvolvimentos contemplem maior velocidade em curvas e a engenharia prefere investir em aerodinâmica. Existe um desconforto na gerência da equipe, Claudio Domenicali, CEO da Ducati, sugere que “talvez lhe falte um pouco de loucura, algo que os Ducatistas apreciam”, Luigi dall'Igna, chefe de equipe da Ducati, admite que “gostaria de ver ele mais instintivo e menos calculista”. Além disso a  proposta da equipe incluiu um corte salarial, não apenas para 2021, mas também para o restante de 2020, alterando o seu contrato atual. A empresária de Dovizioso, Simone Battistella, sugeriu que o piloto de 34 anos poderia optar por um ano sabático em 2021.

Se por um lado um ano ausente não é uma boa opção para o piloto, perder os préstimos do italiano também não é um bom negócio para a Ducati, as opções de mercado são limitadas, não há uma alternativa disponível com sua experiência e talento. Depois dos anos de ouro da Ducati com Casey Stoner, Andrea Dovizioso é o piloto com maior número de vitórias pela equipe, e tem a vantagem de um passaporte italiano.

Como os dois lados não conseguiram chegar a um acordo antes da abertura da temporada, o desempenho nas corridas vai acabar pesando nas conversas sobre a renovação. Se Dovizioso não conseguir lutar pelo título justamente na temporada onde a Honda está fragilizada pelo acidente com Marc Márquez, seu principal argumento para convencer a Ducati a abrir os cofres fica inviabilizado. Corre o risco da Ducati perder a confiança nele se a sequência de resultados não for convincente. As próximas corridas podem ser decisivas, a MotoGP vai correr em Brno, Red Bull Ring e Misano, circuitos onde Dovizioso venceu nas últimas temporadas. É a chance de recuperar uma boa fase, lutar pelas primeiras colocações e, quem sabe, confirmar sua permanência na equipe em 2021.


Alessandra Rossi

Andrea é um sujeito controlado, não se mete em confusões e vive com tranquilidade ao lado do pai e da filha Sara, fruto do seu casamento com Denisa. Depois que o relacionamento chegou ao fim, conheceu a italiana Alessandra Rossi e começaram a namorar. Ela foi uma grid-girl e teve um relacionamento anterior com o piloto australiano Anthony West, que mais tarde a acusou de perseguir pilotos. Andrea, com a sua racionalidade característica, não aceitou provocações.

A Red Bull patrocinou a  realização um documentário chamado Andrea Dovizioso Undaunted (destemido) sobre a performance do italiano no mundial de 2019.

Revisão: Renata Veríssimo
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »