27/05/2020 às 21h32min - Atualizada em 27/05/2020 às 21h32min

NASCAR na quarentena: o retorno da atividades em Darlington

Por Guilherme Martins

Guilherme Martins

Uma das principais categorias do automobilismo mundial, a NASCAR volta suas atividades em 3 corridas (Duas da Cup e uma da Xfinty) na Lady in Black, como é conhecido o oval de Darlington.

 
A partir do momento em que todos os esportes pararam, houve uma preocupação quase que imediata sobre se, e quando os mesmos iriam voltar, e quais seriam os preparativos necessários para que todos os envolvidos pudessem ficar seguros e seguir as recomendações pedidas pela OMS em relação aos eventos esportivos (maior exemplo, o retorno da Bundesliga).
A NASCAR tomou a iniciativa de ser a “pioneira” e de forma indireta, um “balão de ensaio” para as outras categorias mundiais. Havia o medo de que se tornasse algo inviável, tanto em material humano e em investimentos que não houvessem retorno. Após longas reuniões, ficou estipulado um calendário muito modificado onde a primeira corrida seria realizada em Darlington, no último domingo dia 17.
Ficou então acordado que, todas as corridas seriam realizadas de portões fechados, com grande restrição em relação ao pessoal da imprensa e evitar ao máximo qualquer tipo de contato entre pilotos, imprensa e as equipes dos pilotos, inclusive com o isolamento no Victory Lane, onde só o piloto poderia estar, além de cenas minimamente curiosas, como entrevistas usando algo semelhante a um pau de selfie para evitar a aproximação entre repórter e entrevistado. Outro fato a ser considerado é que nenhuma das corridas haveriam treinos prévios, apenas para a Coca-Cola 600, que está prevista para ser realizada neste domingo dia 24, fazendo com que as corridas se tornassem uma incógnita em relação a favoritos.
Com tudo preparado, os haulers chegaram ao oval para a primeira das três corridas previstas durante a semana. O formato do Qualify ficou estipulado em dois sorteios: Entre o primeiro e o vigésimo no campeonato e do vigésimo-primeiro até ao trigésimo-nono, e o grid da segunda corrida seria a inversão das posições da ordem de chegada do primeiro até o vigésimo.
Enquanto isso, vimos o retorno de Ryan Newman, após o gravíssimo acidente na Daytona 500 em fevereiro, e de Matt Kenseth, assumindo o número 42 da Chip Ganassi, após a demissão de Kyle Larson, envolvido em um escândalo racista durante uma corrida virtual.
A bandeira verde voltou a ser agitada com Brad Keselowski na pole. O primeiro estágio mal começou e Ricky Stenhouse Jr. sofreu um acidente, e abandonando a corrida. Após a primeira bandeira amarela, o estágio acabou fluindo sem grandes problemas até a última volta do mesmo, onde o líder Jimmie Johnson foi ultrapassar Chris Buescher (retardatário) e acabou batendo. A vitória do primeiro estádio ficou com seu companheiro de time William Byron. O próprio Byron também teve sua corrida arruinada, quando, na volta 110 teve um furo de pneu que o fez bater no muro. Keselowski aproveitou o momento e venceu o segundo estágio. Já no estágio final, vimos um domínio de Kevin Harvick, e que após liderar 159 das 293 voltas, recebeu a bandeira quadriculada na primeira posição, se tornando o primeiro vencedor após volta das atividades. Destaques positivos para Matt Kenseth que mais de um ano sem correr (última corrida foi o encerramento da temporada 2018 em Miami) terminou na décima posição; John Hunter Nemechek, que terminou em nono e Tyler Reddick, atual bi-campeão da Xfinity Series que teve o melhor resultado da carreira em sétimo.


Top 10 The Real Heroes 400

1 – #4 Kevin Harvick
2 -  #88 Alex Bowman
3 – #1 Kurt Busch
4 -  #9 Chase Elliott
5 - #11 Denny Hamlin
6 – #19 Martin Truex Jr.
7 – #8 Tyler Reddick
8 – #20 Erik Jones
9 – #38 John Hunter Nemechek
10 – #42 Matt Kenseth

Na quarta-feira, houve a segunda corrida da Cup em Darlington, já que a corrida da Xfinity, previamente marcada na terça, foi remarcada para quinta, após chuvas muito fortes naquele dia. Com o grid invertido do primeiro ao vigésimo, a largada foi adiada em duas horas, causadas pela secagem da pista. Por isso, Ryan Preece, vigésimo na corrida de domingo, foi o pole. Sua corrida foi bem curta, abandonando com uma explosão de motor da volta 69, e ficando com a última posição. Com previsão de chuva para mais tarde naquele mesmo dia, a corrida acabou se tornando muito mais agitada, com muitas trocas de posição, muitos contatos entre os pilotos e com o muro, assim “tatuando” a carenagem com as famosas Darlington Stripes. Durante boa parte da corrida, o carro a ser batido era o 14, de Clint Bowyer, companheiro de Kevin Harvick na Stewart-Haas Racing. Contudo, mesmo após vencer os dois estágios, o piloto do 14 acabou por bater no muro faltando 34 voltas e rodando, danificando o carro o bastante para o tirar da disputa pela vitória, e fechando a corrida em vigésimo-segundo. Com estratégias variadas, Denny Hamlin não parou na última rodada de pits sobre bandeira amarela e resolveu arriscar com pneus mais velhos. O piloto do 11 ficou na pista e foi recompensado com a vitória após o incidente entre seu companheiro de time na Joe Gibbs Racing, Kyle Busch e o piloto do 9, Chase Elliott, que após o ultrapassar Busch, no carro 18 pela segunda posição, foi tocado pelo mesmo e acabou rodando. Na volta seguinte, já fora do carro, Elliott esperou o 18 passar e, com toda a delicadeza do mundo, mostrou-lhe o dedo do meio, um gesto bacana como diria Nelson Piquet.


Calma, meu garoto



Por causa desse incidente a bandeira amarela foi chamada mais uma vez e, a chuva enfim deu as caras, fazendo com que a NASCAR acenasse a bandeira vermelha e poucos minutos depois, declarando o fim da corrida, com Hamlin o vencedor. E na entrevista pós-corrida, vimos o piloto do 11 usando uma máscara com uma estampa, digamos, exótica, para dizer o mínimo (a estampa era um sorriso de Hamlin). O vencedor da corrida anterior, Kevin Harvick, terminou em terceiro, assim mantendo a liderança do campeonato.



Tirem as crianças da sala
 
 Top 10 Toyota 500

1 – #11 Denny Hamlin
2 -  #18 Kyle Busch
3 – #4 Kevin Harvick
4 -  #2 Brad Keselowski
5 – #20 Erik Jones
6 – #22 Joey Logano
7 – #10 Aric Almirola
8 – #48 Jimmie Johnson
9 – #21 Matt DiBenedetto
10 – #19 Martin Truex Jr.


Na quinta-feira, tivemos o retorno da Xfinity Series, com uma vitória mais do que emocionante de Chase Briscoe, após uma chegada espetacular contra Kyle Busch, correndo com o número 54. Diferente da Cup, o grid de largada foi definido pela tabela geral do campeonato, com Noah Gragson, piloto do carro 9 como pole. O mesmo manteve-se à frente do pelotão durante todo o primeiro estágio, ficando com a vitória no mesmo. Conforme o seguimento da corrida, Busch acabou por assumir a liderança e acabar por terminar o segundo estágio na frente. Mas sua corrida sofreu uma grande reviravolta, quando, após ser punido por excesso de velocidade nos pits, foi relegado para ser o último carro na relargada, tendo que escalar o pelotão. Com a chuva podendo chegar a qualquer momento, a corrida ficando muito mais agitada, com os pilotos muito mais agressivos querendo ao máximo chegar à frente do pelotão para que, em caso de a mesma ocorrer, ficarem com as melhores posições.
Após Michael Annett rodar faltando 16 voltas para o fim, e levando a última bandeira amarela, todos os pilotos foram para os pits buscando pneus novos para a relargada vindoura, que veio a acontecer faltando 9 voltas. Briscoe saltou na frente e parecia se encaminhar a uma vitória relativamente fácil, quando o piloto do 54 o alcançou e fizesse com as duas últimas voltas fossem repletas de emoção. Busch recebeu a bandeira branca de última volta na liderança, após passar Briscoe na saída da curva 4. Mas o piloto do 98 não desistiu e passou Busch pouco depois e manteve-se à frente para receber a bandeira quadriculada em primeiro, e assim desabar em lágrimas ao sair do carro. Sua esposa estava grávida e o casal acabou perdendo o filho que estava para nascer na terça anterior a corrida, deixando-o muito abalado para a corrida e fazendo com que sua vitória fosse mais do que especial.

Pode chorar, Briscoe



Top 10 Toyota 200

1 – #98 Chase Briscoe
2 -  #54 Kyle Busch
3 – #7 Justin Allgaier
4 -  #22 Austin Cindric
5 – #9 Noah Gragson
6 – #8 Daniel Henric
7 – #39 Ryan Sieg
8 – #10 Ross Chastain
9 – #20 Harrison Burton
10 – #11 Justin Haley


Com o calendário caótico, teremos a Coca-Cola 600 prevista para acontecer hoje, dia 24, as 19 horas, horário de Brasilia, e assim dando início a uma semana muito agitada para a categoria, com a corrida da Xfinity, marcada para a segunda, dia 25, as 20:30; na terça, dia 26, a Gander RV & Outdoors Truck Series, as 21 horas; e na quarta a segunda prova da Cup em Charlotte, as 21 horas (todas no horário de Brasília).



 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »