13/05/2020 às 09h36min - Atualizada em 13/05/2020 às 09h36min

MotoGP: O melhor de todos os tempos

Por Carlos Alberto Goldani

Carlos Alberto Goldani - STH NEWS
 
O espanhol Dani Pedrosa, que se retirou no fim de 2018, é uma das poucas unanimidades que frequenta o pitlane da MotoGP. Considerado um excelente piloto enquanto em atividade e respeitado por ser um profissional correto, Pedrosa não gosta de comparar pilotos, sobretudo quando são de gerações distintas. No entender do espanhol, cada um tem as suas próprias características marcantes, a sua própria magia. Diz que reduzir tudo a números não é correto e exemplifica: “Não consigo acreditar que obtive mais vitórias (54) que Wayne Rainey (24), que foi e continua sendo meu ídolo”.
A mente humana é vulnerável à crença de que qualquer conhecimento que possa ser expresso em números é tão definitivo quanto as cifras que o representam. Não há como resumir tudo a um algarismo, são pequenos detalhes que fazem a diferença em GPs. Sucesso não depende só de habilidade ou talento, deve ser somado a esforço e trabalho de equipe. Vitórias ou derrotas nas pistas são decididos por movimentos precisos onde cada centésimo de segundo conta, o sucesso ou fracasso de uma carreira depende de escolhas e julgamentos subjetivos.
Não faz sentido, não existe um parâmetro único para comparar o talento, realizações e habilidades de pilotos em épocas e condições distintas. O extraordinário poder de mentalização de detalhes e características de cada pista de Marc Márquez é inviável em circuitos longos como o da a Ilha de Man (60 km) ou o GP da Bélgica no antigo traçado de Spa-Francorchamps (14 km).
Também não é lógico cotejar exclusivamente o número de campeonatos ou vitórias, a quantidade de GPs por temporada nas primeiras edições do mundial era menos de 1/3 das provas dos campeonatos atuais. Nestes termos as 24 vitórias de Wayne Rainey em 95 provas (7 temporadas) são mais significativas que as 54 de Dani Pedrosa em 295 GPs (18 temporadas), o norte americano competiu exclusivamente na 500cc e venceu em média uma em cada 4 corridas, enquanto o espanhol conseguiu uma vitória a cada 6 provas que disputou nas 13 temporadas da MotoGP, 2 na 250cc e 3 na 125cc. Curiosidade: Pedrosa sempre competiu com equipamentos Honda e Rainey exclusivamente com Yamaha.
Qualquer estudo comparativo deve considerar a contribuição de cada piloto para o crescimento e divulgação do esporte e, neste item em particular, a participação de Valentino Rossi é imbatível. Ninguém soube utilizar como ele os novos recursos das comunicações, cuja evolução coincidiu com o início de sua carreira. Seu talento e recursos técnicos extraordinários, aliados a um trabalho de marketing extremamente bem feito, conquistou o público italiano e foi importante para popularizar o esporte em todo o mundo.
Ninguém se mantém em evidência durante muito tempo sem cultivar inimizades e desafetos. Rossi disputou a preferência dos torcedores italianos com Max Biaggi enquanto disputava a classe 125cc e o compatriota era campeão da 250cc. Ao comemorar uma vitória decidiu zombar publicamente da afinidade sentimental de Biaggi com a “top model” Naomi Campbell e desfilou com uma boneca inflável, a relação entre os dois deteriorou. A tensão atingiu seu ponto máximo em 2001, em Suzuka Valentino reclamou de uma manobra do rival mostrando ostensivamente o dedo médio, gesto que ganhou o mundo ao ser transmitido pela TV, e em Montmeló no mesmo ano os dois chegaram ao ponto que o noticiário policial define como “vias de fato”, trocaram socos ao compartilharem o pódio.

Valentino Rossi venceu seus principais concorrentes, Max Biaggi, Sete Gibernau e até Casey Stoner, mas seu brilho foi ofuscado pelo talento de Jorge Lorenzo e, posteriormente, por outro espanhol chamado Marc Márquez. O último ano de glória para Valentino foi em 2009, desde então foi batido por Lorenzo (2010, 2012 e 2015), Stoner (2011) e Márquez (2013, 2014 e de 2016 a 2019). As derrotas para Lorenzo em 2010 e 2015 foram particularmente dolorosas porque o espanhol pilotou uma máquina rigorosamente igual a dele.
Valentino Rossi teve um comportamento diferenciado também fora das pistas, no início da temporada de 2016 assinou com muita antecedência com a Yamaha para as temporadas de 2017/2018, inviabilizando a permanência de Jorge Lorenzo na equipe. Este ano (2020) ele foi vítima de seu próprio feitiço, sua hesitação em anunciar a possível decisão de se aposentar forçou a Yamaha a se antecipar e buscar o que tinha de melhor disponível no mercado. A equipe fechou com Vinales e Quartararo, deixando o velho campeão sem moto de fábrica para o biênio 2021/2022. É triste, para os que não enxergam distinção entre MotoGP e Valentino Rossi, a informação de que a Suzuki não tem interesse em seus serviços. O diretor geral da satélite Petronas afirma em alto e bom som que prefere trabalhar com talentos jovens, uma vaga na sua equipe depende de negociações complexas com patrocinadores, ou seja, para Rossi continuar pilotando uma máquina de ponta, a equipe da Malásia quer algum tipo de vantagem. 
Muitos pilotos revolucionaram o campeonato mundial de motociclismo ao longo dos anos. Alguns foram mais bem-sucedidos em termos de corridas ou campeonatos vencidos, alguns já eram e ficaram mais famosos, certamente alguns obtiveram boas recompensas financeiras ou carreiras mais longas.
Geoff Duke, além de 6 campeonatos mundiais e 6 vitórias na lendária prova da Ilha de Man no início dos anos 50, foi o primeiro a perceber a segurança e as vantagens aerodinâmicas do traje de uma peça única. A pouca cobertura da mídia aos eventos de motovelocidade na época responde pela falta de informações mais consistentes sobre este britânico e de sua importância para consolidar e desenvolver o mundial da FIM.
Mike Hailwood é frequentemente citado como um dos maiores pilotos de todos os tempos. Pode não ter conquistado muitos títulos, embora 76 vitórias em GPs e 9 mundiais em diversas classes componham um currículo respeitável. Mike foi o homem que estendeu a carreira dos pilotos, começando mais cedo que seus rivais e encerrando como o mais velho do grid. Em 1978, após 11 anos longe das motos de corrida, Hailwood, com 38 anos, voltou a disputar o GP da Ilha de Man e venceu a prova com uma Ducati.
Em termos de sucesso nas corridas, o italiano Giacomo Agostini está no topo da lista – é o piloto mais bem-sucedido de todos os tempos. Ele ganhou 15 títulos mundiais de 1966 a 1975, campeão nas 350cc e 500cc por cinco anos consecutivos entre 1968 e 1972. Como na época a Ilha de Man TT fazia parte do calendário do mundial, ganhou impressionantes 10 GPs no circuito. Venceu 122 grandes prêmios no total - um recorde que Valentino Rossi, que está com 115, busca igualar. Talvez a maior realização de Agostini tenha sido acreditar no sucesso dos motores de dois tempos.  A MV Agusta ganhou todos os títulos mundiais das 500cc de 1958 até 1974, Agostini abandonou um equipamento vencedor e mudou para a Yamaha, que com um revolucionário motor de 2 tempos, conquistou o campeonato mundial de 1975.
Para um homem que só ganhou dois campeonatos mundiais e 19 GPs, o impacto de Barry Sheene no esporte foi enorme. Foi o primeiro verdadeiro astro global das corridas de motocicletas, sendo exposto com evidência simultaneamente nas páginas sociais e de esportes dos jornais da época. Provavelmente o que encantou seus fãs foi sua habilidade de enganar a morte e ainda voltar a correr novamente. Sofreu 2 acidentes pavorosos, um em Daytona quando seu pneu explodiu em 1975 e envolvido em uma de bola de fogo no GP da Inglaterra sete anos depois. Em ambas as ocorrências foi avisado que por seus ferimentos estava ameaçado de nunca andar novamente, em ambas as vezes ele estava de volta em uma moto em semanas.
O tricampeão mundial Kenny Roberts fez mais pelas corridas modernas de motocicletas do que qualquer outro no planeta. Transformou totalmente o esporte em termos de segurança do piloto, condições de paddock, resultados financeiros, tecnologia da motocicleta e técnicas de condução. Foi o primeiro norte americano a alcançar o título de mundial e a ter um filho também campeão mundial. Kenny Roberts popularizou uma maneira totalmente nova de pilotar, pendurado na moto e apoiando o joelho nas curvas. Roberts foi fundamental para a retirada de circuitos sem segurança adequada do calendário, para que houvesse melhores condições de trabalho no paddock, bem como garantir que os pilotos recebessem salários compensadores.
Quando se trata de mostrar talento natural para andar de motos certos nomes surgem com uma regularidade notável como, por exemplo, Jorge Lorenzo, Casey Stoner e Kevin Schwantz. Talvez a maior expressão tenha sido o norte americano Freddie Spencer, que adorava rodar, experimentar, derrapar com uma moto, aprender sobre ângulos acentuados, tração, efeitos giroscópio e muito mais. Spencer tornou-se o mais jovem vencedor do 500cc quando bateu Barry Sheene em Spa-Francorchamps em julho de 1982. Um ano depois, o jovem de 21 anos bateu o recorde de Mike Hailwood ao se tornar o mais jovem campeão mundial da categoria, uma marca que só foi quebrada por Marc Márquez em 2013, com apenas 20 anos. Freddie Spencer foi o único piloto a vencer os títulos de 250cc e 500cc no mesmo ano.
O espanhol Marc Márquez está batendo recordes desde que chegou ao campeonato mundial. Como Mike Hailwood, Phill Read e Valentino Rossi, ele é um dos pilotos que conseguiram títulos mundiais em três classes diferentes. Márquez foi o primeiro piloto desde Kenny Roberts em 1978 a vencer a classe principal em sua primeira temporada, e também se tornou o mais jovem campeão de todos os tempos quando venceu o mundial de MotoGP em 2013 com apenas 20 anos. Repetiu o feito um ano depois, vencendo um total de dez etapas seguidas e conquistou o título com três provas de antecedência. Além de seu talento precoce, Márquez popularizou o próximo nível de pilotagem, utilizando o cotovelo como apoio. O piloto espanhol não foi o primeiro a utilizar esta técnica, existem registros que o francês Jean-Phillipe Ruggia usava este expediente no final dos anos 1980. A tecnologia atual dos pneus permite chegar a ângulos de inclinação ridículos. Márquez foi o primeiro piloto a utilizar o cotovelo como acessório auxiliar, sua técnica extrema de descolamento da moto permite que corra com ângulos acentuados e facilita levantar a moto mais rapidamente ao sair das curvas.
Nick Harris, que durante muitos anos foi a voz oficial nas transmissões da MotoGP, criou uma frase definitiva sobre o futuro da competição: “Never say never in MotoGP”. Durante muito tempo a possibilidade de ultrapassar o número de 100 vitórias parecia exclusividade dos tempos de Giacomo Agostini, onde havia grande diferença entre o desempenho de equipamentos. Então surgiu Valentino Rossi que, com a sua competência e longevidade, superou a centena de vitórias e ficou perto de ameaçar a marca do conterrâneo. O que era esporte está evoluindo para espetáculo e, para crescer o número de espectadores e atrair mais patrocinadores, a organização do evento está apostando forte na equalização da competitividade entre os participantes. Neste ambiente é improvável que alguém que se destaque muito dos demais, então surgiu o espanhol Marc Márquez com uma técnica de pilotagem que desafia os limites da física. A frase criada por Nick Harris é mais que profética, cresce a cada dia a certeza que limites existem para serem desafiados e vencidos. A grande curiosidade é quando e por quem.
 
Revisão: Renata Veríssimo


Revisão: Renata Veríssimo

Fique ligado através do nosso app e receba nossas notificações!
Baixe nosso app no playstore: https://play.google.com/store/apps/details?id=com.websg.stilohousecombr

D
esenvolvedor  https://estudiowebmedia.com.br/
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »