03/03/2020 às 19h51min - Atualizada em 04/03/2020 às 05h33min

Takeda recebe opinião positiva do CHMP para o ALUNBRIG® (brigatinibe) como um tratamento de primeira linha para o câncer de pulmão de não pequenas células com mutação ALK+

– Se aprovado pela Agência Europeia de Medicamentos, o ALUNBRIG se tornará uma importante opção de tratamento de primeira linha para pacientes com NSCLC ALK+ (câncer de pulmão de não pequenas células com mutação ALK positiva) –– A opinião positiva tem como base os dados do ensaio ALTA-1L de fase 3, no qual o ALUNBRIG demonstrou superioridade na eficácia geral e intracraniana em comparação ao crizotinibe –

DINO


Takeda Pharmaceutical Company Limited (TSE:4502/NYSE:TAK) anunciou hoje que o Comité de Medicamentos para Uso Humano (CHMP) da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) adotou uma opinião positiva, recomendando a aprovação do ALUNBRIG (brigatinibe) como uma monoterapia para o tratamento de pacientes adultos com câncer de pulmão de não pequenas células (CPNPC) avançado, positivo para quinase (ALK+) de linfoma anaplásico, não tratado anteriormente com um inibidor de ALK. O ALUNBRIG é um inibidor da tirosina quinase (TKI) de última geração, concebido para ter como alvo e inibir alterações genéticas de ALK.

“Devidoànatureza complexa do CPNPC ALK+ eàmaneira como a doença geralmente se espalha para o cérebro, é essencial que os médicos tenham opções de tratamento que demonstrem eficácia geral e intracraniana”, disse o Professor Sanjay Popat, Consultor Médico Oncologista, Royal Marsden NHS Foundation Trust. “No ensaio ALTA-1L, o brigatinibe demonstrou respostas significativas no cérebro e eficácia geral consistente em comparação ao crizotinibe. Se aprovado pela EMA, o brigatinibe pode se tornar uma opção importante para o tratamento de primeira linha de pacientes com CPNPC ALK+ avançado na Europa.”

Esta opinião tem como base os dados do ensaio ALTA-1L de fase 3, que avalia a segurança e a eficácia do ALUNBRIG quando comparado ao crizotinibe em pacientes com CPNPC ALK+ localmente avançado ou metastático, que não receberam tratamento prévio com um inibidor da ALK. Os resultados do ensaio mostraram que o ALUNBRIG demonstrou superioridade em relação ao crizotinibe, com respostas significativas observadas em pacientes com metástases cerebrais basais. Após mais de dois anos de acompanhamento, o ALUNBRIG reduziu o risco de progressão ou morte da doença intracraniana em 69% em pacientes com metástases cerebrais na linha de base (razão de risco [HR] = 0,31, índice de confiança (CI de 95%: 0,17-0,56), conforme avaliado por um Comitê Independente de Revisão Central Cego (BIRC) e 76% (HR = 0,24, CI de 95%: 0,12-0,45), conforme avaliado pelos investigadores. O ALUNBRIG também demonstrou eficácia geral consistente (intenção de tratar a população), com sobrevida mediana livre de progressão (SLP) mais de duas vezes maior que a do crizotinibe em 24 meses (CI de 95%: 18,5 – NE) versus 11 meses (CI de 95%: 9,2-12,9) para o crizotinibe, avaliado pelo BIRC, e 29,4 meses (CI de 95%: 21,2 – NE) versus 9,2 meses (CI de 95%: 7,4-12,9), conforme avaliado pelos investigadores.

O perfil de segurança do ALUNBRIG no ensaio ALTA-1L foi geralmente consistente com o resumo de características do produto (SmPC) europeu existente. Os eventos adversos emergentes do tratamento (TEAEs) mais comuns, com grau ≥3, no braço ALUNBRIG foram aumento de CPK (24,3%), aumento de lipase (14%) e hipertensão (11,8%); e para o crizotinibe houve aumento da ALT (10,2%), aumento da AST (6,6%) e aumento da lipase (6,6%).

“O desenvolvimento de opções de tratamento seguras e eficazes para o câncer é uma das principais prioridades da Takeda. Por isso, continuamente procuramos maneiras de atender às necessidades não atendidas da comunidade com câncer de pulmão”, disse Christopher Arendt, chefe da Unidade da Área Terapêutica de Oncologia na Takeda. “A opinião positiva de hoje do CHMP é uma etapa importante para levar o ALUNBRIG às pessoas que vivem com o CPNPC ALK+ avançado, e esperamos continuar a trabalhar com a EMA, enquanto eles analisam o pedido do ALUNBRIG como tratamento de primeira linha para pacientes com essa grave e rara forma de câncer de pulmão.”

“O NSCLC ALK+ é uma forma muito rara de câncer de pulmão, e as necessidades das pessoas afetadas por ele são múltiplas”, disse Stefania Vallone, presidente do Lung Cancer Europe (LuCE). “Apesar do progresso nos últimos anos, continua a existir uma necessidade de opções adicionais de tratamento de primeira linha para as aproximadamente 10 mil pessoas com CPNPC ALK+ na Europa.”

O parecer positivo em relação ao ALUNBRIG será agora revisto pela Comissão Europeia (CE) para decisão da Comissão. Atualmente, o ALUNBRIG não é aprovado como terapia para CPNPC ALK+ de primeira linha.

Sobre o ensaio ALTA-1L
O ensaio de fase 3 ALTA-1L (sigla para ALK em Lung Cancer Trial of BrigAtinibe em 1a Linha) do ALUNBRIG em adultos é um ensaio global multicêntrico, comparativo, aberto, randomizado e contínuo, que envolveu 275 pacientes (ALUNBRIG, n=137, crizotinibe, n=138) com CPNPC ALK+ localmente avançado ou metastático, que não receberam tratamento prévio com um inibidor de ALK. Os pacientes receberam ALUNBRIG na dose de 180 mg uma vez ao dia, após um período anterior de sete dias recebendo 90 mg uma vez ao dia, ou crizotinibe na dose de 250 mg duas vezes ao dia.

A idade média foi de 58 anos no braço ALUNBRIG e 60 anos no braço crizotinibe. Vinte e nove por cento dos pacientes apresentaram metástases cerebrais na linha de base no braço ALUNBRIG, contra 30% no braço crizotinibe. Vinte e seis por cento dos pacientes receberam quimioterapia prévia para doença avançada ou metastática no braço ALUNBRIG, contra 27% no braço crizotinibe.

A sobrevida livre de progressão (SLP) avaliada pelo Comitê Independente de Revisão Central Cego (BIRC) (BIRC) foi o endpoint primário. Endpoints secundários incluíram taxa de resposta objetiva (TRO) por RECIST v1.1, TRO intracraniana, SLP intracraniana, sobrevida global (SG), segurança e tolerabilidade.

O perfil de segurança do ALUNBRIG no ensaio ALTA-1L foi geralmente consistente com o resumo de características do produto (SmPC) europeu existente.

Sobre o ALUNBRIG® (brigatinibe)
ALUNBRIG é um inibidor de tirosina quinase (TKI) de próxima geração potente e seletivo que foi concebido para ter como alvo e inibir alterações genéticas do linfoma quinase anaplásico (ALK). Em abril de 2017, o ALUNBRIG recebeu aprovação acelerada do FDA dos EUA para pacientes com NSCLC metastático com ALK+, que progrediram ou são intolerantes ao crizotinibe. Esta indicação está aprovada no âmbito de Aprovação Acelerada, com base na taxa de resposta do tumor e na duração da resposta. A aprovação contínua desta indicação pode estar condicionadaàverificação e descrição do benefício clínico em um estudo confirmatório.

Atualmente, o ALUNBRIG é aprovado em mais de 40 países, incluindo os EUA, o Canadá e a União Europeia, para o tratamento de pessoas que vivem com CPNPC metastático com ALK+ e que tomaram o medicamento crizotinibe e tiveram piora do CPNPC ou são intolerantes ao tratamento com crizotinibe.

O ALUNBRIG recebeu a Designação de Terapia Inovadora do FDA para o tratamento de pacientes com CPNPC ALK+, cujos tumores são resistentes ao crizotinibe, e recebeu a designação de medicamento órfão pelo FDA para o tratamento de CPNPC ALK+, ROS1+ e CPNPC EGFR+.

Sobre o CPNPC ALK+
O câncer de pulmão de não pequenas células (CPNPC) é a forma mais comum de câncer de pulmão, representando aproximadamente 85% dos 1,8 milhão de novos casos estimados de câncer de pulmão diagnosticados a cada ano no mundo inteiro, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).1,2 Estudos genéticos indicam que os rearranjos cromossômicos na quinase do linfoma anaplásico (ALK) são fatores determinantes em um subconjunto de pacientes com CPNPC.3 Aproximadamente três a cinco por cento dos pacientes com CPNPC metastático têm um rearranjo no gene ALK .4,5,6

A Takeda está empenhada em continuar a pesquisa e desenvolvimento no CPNPC para aprimorar as vidas dos cerca de 40 mil pacientes diagnosticados com esta forma grave e rara de câncer de pulmão em todo o mundo a cada ano.7

Compromisso da Takeda com o câncer de pulmão
A Takeda se dedica a expandir as opções de tratamento nos cenários de tratamento do CPNPC ALK+ e CPNPC com mutação em EGFR/HER2. Nossos programas abrangentes incluem os seguintes ensaios clínicos para continuar a atender às necessidades não atendidas de pessoas que vivem com câncer de pulmão:

ALUNBRIG

  • Ensaio de fase 1/2, que foi concebido para avaliar a segurança, tolerabilidade, farmacocinética e atividade antitumoral preliminar do ALUNBRIG. As inscrições para este estudo estão fechadas.
  • Ensaio pivotal ALTA de fase 2 que investiga a eficácia e segurança do ALUNBRIG em dois regimes posológicos em pacientes com CPNPC ALK+ localmente avançado ou metastático, que progrediram com o crizotinibe. As inscrições para este estudo estão fechadas.
  • Ensaio ALTA-1L de fase 3 global e randomizado, que avalia a eficácia e segurança do ALUNBRIG em relação ao crizotinibe em pacientes com CPNPC ALK+ localmente avançado ou metastático, que não receberam tratamento anterior com um inibidor de ALK. As inscrições para este estudo estão fechadas.
  • Ensaio J-ALTA de fase 2 multicêntrico de braço único em pacientes japoneses com CPNPC ALK+, com foco em pacientes que progrediram no alectinibe. As inscrições para este estudo estão fechadas.
  • Ensaio ALTA de fase 2 global de braço único que avalia o ALUNBRIG em pacientes com CPNPC ALK+ avançado, que progrediram no alectinibe ou ceritinibe. As inscrições para este estudo estão fechadas.
  • Ensaio ALTA de fase 3 global randomizado que compara a eficácia e segurança do ALUNBRIG em relação ao alectinibe em participantes com CPNPC ALK+ que progrediram no crizotinibe. As inscrições para este estudo estão em andamento.

TAK-788, um inibidor seletivo das mutações do EGFR/HER2, atualmente sendo explorado nas mutações de inserção do EGFR exon 20:

  • Estudo de fase 1/2 que avalia a segurança, farmacocinética e atividade antitumoral do inibidor oral TAK-788 de mutações EGFR/HER2 em pacientes com CPNPC. As inscrições para este estudo estão fechadas.
  • Estudo EXCLAIM de fase 2, grupo de extensão pivotal do ensaio de fase 1/2, que foi concebido para avaliar a eficácia e a segurança do TAK-788 em 160 mg uma vez ao dia em pacientes previamente tratados com mutações de inserção EGFR exon 20. As inscrições para este estudo estão fechadas.
  • Estudo EXCLAIM 2 de fase 3 global e randomizado, que avalia a eficácia do TAK-788 como tratamento de primeira linha em relaçãoàquimioterapia duplicadaàbase de platina em pacientes sem tratamento com CPNPC metastático ou localmente avançado, cujos tumores abrigam mutações de inserção EGFR exon 20. As inscrições para este estudo estão em andamento.
  • Estudo de fase 1, aberto, multicêntrico e de dosagem escalonada, que avalia a segurança, tolerabilidade e farmacocinética do TAK-788 em pacientes japoneses com CPNPC metastático ou localmente avançado. As inscrições para este estudo estão fechadas.
  • Estudo J-EXCLAIM de fase 2 aberto e multicêntrico, que avalia a eficácia do TAK-788 como tratamento de primeira linha em pacientes japoneses com CPNPC localmente avançado ou metástico, cujos tumores abrigam mutações de inserção EGFR exon 20. As inscrições para este estudo estão em andamento.
  • Estudo de fase 1 de sequência fixa de dois períodos e aberto, concebido para caracterizar a interação droga-droga entre o TAK-788 e um forte inibidor do citocromo P-450 (CYP) 3A, itraconazol (parte 1) ou um forte indutor de CYP3A, a rifampina (parte 2), em indivíduos adultos saudáveis. As inscrições para este estudo estão em andamento.

Para informações adicionais sobre os ensaios clínicos do ALUNBRIG e TAK-788, acesse www.clinicaltrials.gov.

ALUNBRIG® (brigatinibe): INFORMAÇÕES EUROPEIAS IMPORTANTES SOBRE SEGURANÇA

ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES ESPECIAIS EM RELAÇÃO AO USO

Reações pulmonares adversas: reações pulmonares adversas fatais e graves com ameaçaàvida, incluindo aquelas consistentes com doença pulmonar intersticial (DPI)/pneumonia ocorreram com o ALUNBRIG. A maioria das reações pulmonares adversas foi observada nos primeiros 7 dias de tratamento. As reações pulmonares adversas de grau 1 e 2 foram solucionadas com a interrupção do tratamento ou modificação da dose. O aumento da idade e o intervalo mais curto (menos de 7 dias) entre a última dose de crizotinibe e a primeira dose de ALUNBRIG foram associados independentemente com um aumento da taxa dessas reações adversas pulmonares. Considere estes fatores ao iniciar o tratamento com ALUNBRIG. Alguns pacientes apresentaram pneumonia posteriormente no tratamento com ALUNBRIG. Os pacientes devem ser monitorados quanto a novos ou piora dos sintomas respiratórios (por exemplo, dispneia, tosse etc.), particularmente na primeira semana de tratamento. Evidências de pneumonia em qualquer paciente com piora dos sintomas respiratórios devem ser prontamente investigadas. Se houver suspeita de pneumonia, a dose de ALUNBRIG deverá ser suspensa e o paciente avaliado para outras causas dos sintomas (por ex., embolia pulmonar, progressão do tumor e pneumonia infecciosa). A dose deverá ser modificada de acordo.

Hipertensãoocorreu. A pressão arterial deverá monitorada regularmente durante o tratamento com ALUNBRIG. A hipertensão deve ser tratada de acordo com as diretrizes padrão para controlar a pressão arterial. A frequência cardíaca deve ser monitorada com maior frequência nos pacientes, se o uso concomitante de um medicamento que causa bradicardia não puder ser evitado. Para hipertensão grave (≥ grau 3), o ALUNBRIG deverá ser suspenso, até que a hipertensão volte ao grau 1 ou para a linha de base. A dose deve ser modificada de acordo.

Bradicardiaocorreu. Deve-se tomar cuidado ao administrar o ALUNBRIG em combinação com outros agentes que causam bradicardia. A frequência cardíaca e a pressão arterial devem ser monitoradas regularmente. O tratamento com ALUNBRIG deve ser suspenso se ocorrer bradicardia sintomática. Medicamentos concomitantes conhecidos por causar bradicardia devem ser avaliados. Após a recuperação, a dosagem deve ser modificada de acordo. Em caso de bradicardia com risco de vida, interrompa permanentemente o ALUNBRIG, se nenhuma medicação concomitante contribuinte for identificada ou em caso de recorrência. Se uma medicação concomitante for identificada, modifique a dose de acordo.

Distúrbio visualocorreu com ALUNBRIG. Aconselhe os pacientes a informar sobre quaisquer sintomas visuais. Para novos ou piora dos sintomas visuais graves, uma avaliação oftalmológica e redução da dosagem devem ser consideradas.

Elevação da creatinofosfoquinase (CPK)foi relatada. Aconselhe os pacientes a informar sobre qualquer dor, sensibilidade ou fraqueza muscular sem explicação. Monitore regularmente os níveis da CPK durante o tratamento. Com base na gravidade da elevação de CPK, suspenda o tratamento com ALUNBRIG e modifique a dosagem de acordo.

Elevação das enzimas pancreáticas: elevações da amilase e lipase ocorreram. A lipase e a amilase devem ser monitoradas regularmente durante o tratamento com o ALUNBRIG. Com base na gravidade das anormalidades laboratoriais, suspensa o uso do ALUNBRIG e modifique a dosagem de acordo.

Toxicidade hepática: ocorreram elevações das enzimas hepáticas (aspartato aminotransferase, alanina aminotransferase) e bilirrubina. A função hepática, incluindo AST, ALT e bilirrubina total, deve ser avaliada antes do início do ALUNBRIG e depois a cada 2 semanas durante os primeiros 3 meses de tratamento. Posteriormente, o monitoramento deve ser realizado periodicamente. Com base na gravidade das anormalidades laboratoriais, suspenda o ALUNBRIG e modifique a dose de acordo.

Hiperglicemia: ocorreram elevações da glicose sérica. A glicose sérica em jejum deve ser avaliada antes do início do ALUNBRIG e monitorada periodicamente posteriormente. O tratamento anti-hiperglicêmico deve ser iniciado ou otimizado, conforme necessário. Se o controle hiperglicêmico adequado não puder ser alcançado com o tratamento médico ideal, o ALUNBRIG deve ser suspenso até que o controle hiperglicêmico adequado seja alcançado; na recuperação, a redução da dosagem pode ser considerada ou o ALUNBRIG pode ser descontinuado permanentemente.

Interações medicamentosas: deve-se evitar o uso concomitante de ALUNBRIG com fortes inibidores da CYP3A. Se não for possível evitar o uso concomitante de inibidores fortes do CYP3A, reduza a dose de ALUNBRIG de 180 mg para 90 mg ou de 90 mg para 60 mg. Após a descontinuação de um forte inibidor do CYP3A, o ALUNBRIG deve ser retomado na dose tolerada antes do início da dose do forte inibidor do CYP3A. Deve-se evitar o uso concomitante de ALUNBRIG com indutores fortes e moderados do CYP3A.

Fertilidade: deve-se aconselhar mulheres com potencial para engravidar a usar métodos contraceptivos não hormonais eficazes durante o tratamento com ALUNBRIG e por pelo menos 4 meses após a dose final. Homens com parceiras com potencial para engravidar devem ser aconselhados a usar métodos contraceptivos eficazes durante o tratamento e por pelo menos 3 meses após a última dose de ALUNBRIG.

Lactose: o ALUNBRIG contém lactose monohidratada. Pacientes com problemas hereditários raros de intolerânciaàgalactose, deficiência total de lactase ou má absorção de glicose-galactose não devem tomar este medicamento.

EFEITOS INDESEJÁVEIS

As reações adversas mais comuns (≥25%), relatadas em pacientes tratados com ALUNBRIG no regime de posologia recomendado, foram: aumento de AST, hiperglicemia, hiperinsulinemia, anemia, aumento da CPK, náusea, aumento da lipase, diminuição da contagem de linfócitos, aumento da ALT, diarreia, aumento da amilase, fadiga, tosse, dor de cabeça, aumento da fosfatase alcalina, hipofosfatemia, aumento do APTT, erupção cutânea, vômito, dispneia, hipertensão, diminuição da contagem de glóbulos brancos, mialgia e neuropatia periférica.

As reações adversas graves mais comuns (≥ 2%) relatadas em pacientes tratados com ALUNBRIG no regime posológico recomendado, exceto eventos relacionadosàprogressão da neoplasia, foram pneumonite, pneumonia e dispneia.

POPULAÇÕES ESPECIAIS

Pacientes idosos: os dados limitados sobre a segurança e eficácia do ALUNBRIG em pacientes com 65 anos ou mais sugerem que não é necessário um ajuste da dose em pacientes idosos. Não há dados disponíveis sobre pacientes com idade acima de 85 anos.

Insuficiência hepática: nenhum ajuste de dosagem do ALUNBRIG é necessário para pacientes com insuficiência hepática suave (classe A de Child-Pugh) ou insuficiência hepática moderada (classe B de Child-Pugh). Recomenda-se uma dose inicial reduzida de 60 mg uma vez ao dia durante os primeiros 7 dias e, em seguida, 120 mg uma vez ao dia para pacientes com insuficiência hepática grave (classe C de Child-Pugh).

Insuficiência renal: Não é necessário ajuste de dosagem do ALUNBRIG em doentes com insuficiência renal suave ou moderada (taxa de filtração glomerular estimada (TFGe) ≥ 30 mL/min). Recomenda-se uma dose inicial reduzida de 60 mg uma vez ao dia nos primeiros 7 dias e, em seguida, 90 mg uma vez ao dia em pacientes com insuficiência renal grave (TFGe <30 mL/min). Os pacientes com insuficiência renal grave devem ser monitorados de perto quanto a novos ou piora dos sintomas respiratórios, que podem indicar doença pulmonar intersticial/pneumonia (por exemplo, dispneia, tosse, etc.), particularmente na primeira semana.

População pediátrica: a segurança e eficácia do ALUNBRIG em pacientes com menos de 18 anos de idade não foram estabelecidas. Não há dados disponíveis.

INFORMAÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA SOBRE O ALUNBRIG (EUA)

ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES
Doença pulmonar intersticial (DPI)/pneumonia:
reações pulmonares adversas fatais e graves com ameaçaàvida, consistentes com doença pulmonar intersticial (DPI)/pneumonia ocorreram com o ALUNBRIG. No ensaio ALTA (ALTA), a DPI/pneumonia ocorreu em 3,7% dos pacientes no grupo de 90 mg (90 mg uma vez ao dia) e 9,1% dos pacientes no grupo de 90→180 mg (180 mg uma vez ao dia e nos 7 dias anteriores com 90 mg uma vez ao dia). Reações adversas consistentes com DPI/pneumonia ocorreram anteriormente (em 9 dias após o início do ALUNBRIG; início mediano foi de 2 dias) em 6,4% dos pacientes, com reações de grau 3 a 4 ocorrendo em 2,7%. Monitore para ver se há novos ou piora dos sintomas respiratórios (ex., dispneia, tosse etc.), particularmente durante a primeira semana de início do ALUNBRIG. Suspenda o uso do ALUNBRIG em qualquer paciente com novos ou piora dos sintomas respiratórios e avalie imediatamente se existe DPI/pneumonia ou outras causas de sintomas respiratórios (ex.: embolia pulmonar, progressão do tumor e pneumonia infecciosa). Para DPI/pneumonia de grau 1 ou 2, reinicie o ALUNBRIG com redução da dosagem, após recuperar o patamar inicial ou descontinue permanentemente o ALUNBRIG. Interrompa permanentemente o ALUNBRIG para DPI/pneumonia de grau 3 ou 4 ou recorrência de DPI/pneumonia de grau 1 ou 2.

Hipertensão: no ALTA, a hipertensão foi relatada em 11% dos pacientes no grupo de 90 mg, que receberam o ALUNBRIG, e 21% dos pacientes no grupo de 90→180 mg. A hipertensão de grau 3 ocorreu em 5,9% dos pacientes de modo geral. Controle a pressão arterial antes do tratamento com o ALUNBRIG. Monitore a pressão arterial após 2 semanas e pelo menos mensalmente depois disso durante o tratamento com o ALUNBRIG. Suspenda o uso do ALUNBRIG para hipertensão de grau 3, apesar da terapia anti-hipertensiva ideal. Após a resolução ou melhora para a gravidade de grau 1, reinicie o ALUNBRIG com uma dosagem reduzida. Considere a descontinuação permanente do tratamento com o ALUNBRIG para hipertensão de grau 4 ou recorrência de hipertensão de grau 3. Tome cuidado ao administrar o ALUNBRIG combinado com agentes anti-hipertensivos que causam bradicardia.

Bradicardia: a bradicardia pode ocorrer com o ALUNBRIG. No ALTA, frequências cardíacas menores que 50 batimentos por minuto (bpm) ocorreram em 5,7% dos pacientes no grupo de 90 mg e 7,6% dos pacientes no grupo de 90→180 mg. A bradicardia de grau 2 ocorreu em 1 (0,9%) paciente no grupo de 90 mg. Monitore a frequência cardíaca e a pressão arterial durante o tratamento com o ALUNBRIG. Monitore os pacientes com mais frequência, se não for possível evitar o uso concomitante de medicamento conhecido por causar bradicardia. Para bradicardia sintomática, suspenda o ALUNBRIG e reveja o uso concomitante de medicamentos para aqueles conhecidos por causar bradicardia. Se um medicamento concomitante conhecido por causar bradicardia for identificado e interrompido ou a dosagem ajustada, reinicie o uso do ALUNBRIG na mesma dosagem, após a diminuição da bradicardia sintomática; caso contrário, reduza a dosagem do ALUNBRIG após a redução da bradicardia sintomática. Interrompa o ALUNBRIG para bradicardia com ameaçaàvida, se não for identificada a contribuição do medicamento de uso concomitante.

Distúrbio visual: no ALTA, reações adversas que provocaram distúrbio visual, incluindo visão embaçada, diplopia e redução da acuidade visual, foram registradas em 7,3% dos pacientes tratados com o ALUNBRIG no grupo de 90 mg e 10% dos pacientes no grupo de 90→180 mg. Edema macular de grau 3 e catarata ocorreram em um paciente cada no grupo de 90→180 mg. Aconselhe os pacientes a informar sobre quaisquer sintomas visuais. Suspenda o uso do ALUNBRIG e peça uma avaliação oftalmológica em pacientes com novos ou piora dos sintomas visuais de grau 2 ou gravidade maior. Após o restabelecimento dos distúrbios visuais de grau 2 ou 3 para gravidade de grau 1 ou do patamar inicial, reinicie o ALUNBRIG com uma dosagem reduzida. Suspenda permanentemente o tratamento com o ALUNBRIG em distúrbios visuais de grau 4.

Elevação da creatinofosfoquinase (CPK): no ALTA, a elevação da creatinofosfoquinase (CPK) ocorreu em 27% dos pacientes que receberam o ALUNBRIG no grupo de 90 mg e 48% dos pacientes no grupo de 90 mg→180 mg. A incidência da elevação da CPK de grau 3 ou 4 foi de 2,8% no grupo de 90 mg e 12% no grupo de 90→180 mg. A redução da dosagem para a elevação de CPK ocorreu em 1,8% dos pacientes no grupo de 90 mg e 4,5% no grupo de 90→180 mg. Aconselhe os pacientes a informar sobre qualquer dor, sensibilidade ou fraqueza muscular sem explicação. Monitore os níveis da CPK durante o tratamento com o ALUNBRIG. Suspenda o uso do ALUNBRIG, se houver elevação da CPK de grau 3 ou 4. Após a resolução ou restabelecimento ao grau 1 ou do patamar inicial, reinicie o ALUNBRIG na mesma dosagem ou com uma dosagem reduzida.

Elevação das enzimas pancreáticas: no ALTA, a elevação da amilase ocorreu em 27% dos pacientes no grupo de 90 mg e 39% dos pacientes no grupo de 90→180 mg. Elevações da lipase ocorreram em 21% dos pacientes no grupo de 90 mg e 45% dos pacientes no grupo de 90→180 mg. A elevação da amilase de grau 3 ou 4 ocorreu em 3,7% dos pacientes no grupo de 90 mg e 2,7% dos pacientes no grupo de 90→180 mg. A elevação da lipase de grau 3 ou 4 ocorreu em 4,6% dos pacientes no grupo de 90 mg e 5,5% dos pacientes no grupo de 90→180 mg. Monitore a lipase e a amilase durante o tratamento com o ALUNBRIG. Suspenda o uso do ALUNBRIG, se houver elevação de enzimas pancreáticas para o grau 3 ou 4. Após a resolução ou restabelecimento ao grau 1 ou do patamar inicial, reinicie o ALUNBRIG na mesma dosagem ou com uma dosagem reduzida.

Hiperglicemia: no ALTA, 43% dos pacientes que receberam o ALUNBRIG experimentaram nova ou piora da hiperglicemia. A hiperglicemia de grau 3, baseada na avaliação em laboratório de níveis de glicose sérica em jejum, ocorreu em 3,7% dos pacientes. Dois de 20 (10%) pacientes com diabetes ou intolerânciaàglicose no patamar inicial solicitaram o início do uso da insulina enquanto recebiam o ALUNBRIG. Analise a glicose sérica em jejum, antes do início do ALUNBRIG, e depois monitore periodicamente. Inicie ou otimize os medicamentos anti-hiperglicêmicos, conforme necessário. Se o controle adequado da hiperglicemia não puder ser realizado com a administração médica ideal, interrompa o ALUNBRIG até o controle adequado da hiperglicemia ser alcançado e considere reduzir a dosagem do ALUNBRIG ou interromper permanentemente o seu uso.

Toxidade embriofetal: com base no seu mecanismo de ação e descobertas em animais, o ALUNBRIG pode causar lesão fetal quando administrado em mulheres grávidas. Não há dados clínicos sobre o uso do ALUNBRIG em mulheres grávidas. Aconselhe as gestantes sobre o risco potencial ao feto. Aconselhe mulheres com capacidade reprodutiva a usar contraceptivos não hormonais eficazes durante o tratamento com o ALUNBRIG e por pelo menos 4 meses após a dose final. Aconselhe homens com parceiras com capacidade reprodutiva a utilizar contraceptivos eficazes durante o tratamento e por pelo menos 3 meses após a última dosagem do ALUNBRIG.

REAÇÕES ADVERSAS
Reações adversas graves ocorreram em 38% dos pacientes no grupo de 90 mg e 40% dos pacientes no grupo de 90→180 mg. As reações adversas graves mais comuns foram pneumonia (5,5% do total, 3,7% no grupo de 90 mg, e 7,3% no grupo de 90→180 mg) e DPI/pneumonia (4,6% do total, 1,8% no grupo de 90 mg e 7,3% no grupo de 90→180 mg). Reações adversas fatais ocorreram em 3,7% dos pacientes e consistiram em pneumonia (2 pacientes), morte súbita, dispneia, parada respiratória, embolia pulmonar, meningite bacteriana e septicemia (ou sepse) urinária (1 paciente cada).

As reações adversas mais comuns (≥25%) no grupo de 90 mg foram náusea (33%), fadiga (29%), dor de cabeça (28%) e dispneia (27%), e no grupo de 90→180 mg foram náusea (40%), diarreia (38%), fadiga (36%), tosse (34%) e dor de cabeça (27%).

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS
Inibidores do CYP3A: evite o uso concomitante do ALUNBRIG com inibidores de CYP3A fortes ou moderados. Evite suco de toranja ou a toranja em fruta, já que isso também pode aumentar as concentrações de plasma do brigatinibe. Se o uso concomitante de um inibidor de CYP3A forte ou moderado for inevitável, reduza a dosagem do ALUNBRIG.
Indutores do CYP3A: evite o uso concomitante do ALUNBRIG com indutores de CYP3A fortes ou moderados. Se o uso concomitante de indutores CYP3A moderados não puder ser evitado, aumente a dosagem do ALUNBRIG.
Substratos do CYP3A: a administração conjunta do ALUNBRIG com substratos de CYP3A, incluindo contraceptivos hormonais, pode resultar na diminuição de concentrações e perda da eficácia dos substratos sensíveis do CYP3A.

USO EM POPULAÇÕES ESPECÍFICAS
Gravidez: o
ALUNBRIGpode causar dano ao feto. Aconselhe mulheres com capacidade reprodutiva sobre o risco potencial para o feto

Lactação: não há dados referentesàsecreção de brigatinibe no leite humano ou seu efeito no bebê lactante ou na produção de leite. Devido às potenciais reações adversas nos bebês lactantes, aconselhe as mulheres a não amamentar durante o tratamento com o ALUNBRIG.

Homens e mulheres com capacidade reprodutiva:
Teste de gravidez: verifique se há possibilidade de gravidez em mulheres com capacidade reprodutiva, antes de iniciar o tratamento com o ALUNBRIG.
Contracepção:aconselhe as mulheres com capacidade reprodutiva a usar contraceptivos não hormonais eficazes durante o tratamento com o ALUNBRIG e por pelo menos 4 meses após a dosagem final. Aconselhe os homens vivendo com mulheres com capacidade reprodutiva a usar contraceptivos eficazes durante o tratamento com o ALUNBRIG e por pelo menos 3 meses após a dosagem final.
Infertilidade: o ALUNBRIG pode causar redução de fertilidade nos homens.

Uso pediátrico: a segurança e eficácia do ALUNBRIG em pacientes pediátricos não foi estabelecida.

Uso geriátrico: estudos clínicos do ALUNBRIG não incluíram números suficientes de pacientes com idade de 65 anos ou mais para determinar se respondem de modo diferente de pacientes mais jovens.

Insuficiência hepática ou renal: nenhum ajuste de dosagem é recomendado para pacientes com insuficiência hepática ou renal suave ou moderada. Reduza a dose do ALUNBRIG para pacientes com insuficiência hepática ou renal grave.

Veja as informações completas de prescrição dos EUA para o ALUNBRIG em www.ALUNBRIG.com

Sobre a Takeda Pharmaceutical Company Limited
Takeda Pharmaceutical Company Limited (TSE:4502/NYSE:TAK) é uma importante empresa biofarmacêutica global, baseada em valores e orientada por Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), e que tem sua sede no Japão. O compromisso da Takeda é trazer uma Saúde Melhor e um Futuro Mais Brilhante para pacientes do mundo inteiro, traduzindo ciência em medicamentos altamente inovadores. A Takeda concentra seus esforços de P&D em quatro áreas terapêuticas: Oncologia, Doenças Raras, Neurociências e Gastroenterologia (GI). Também faz investimentos de P&D específicos em terapias derivadas de plasma e vacinas. O objetivo da Takeda é desenvolver medicamentos altamente inovadores, que contribuem para fazer diferença na vida das pessoas, avançando na fronteira de novas opções de tratamento e aproveitando o nosso sistema colaborativo de Pesquisa e Desenvolvimento para criar um pipeline robusto e diversificado para diferentes modalidades. Os funcionários da Takeda têm o compromisso de aprimorar a qualidade de vida dos pacientes, trabalhando com os parceiros da empresa em cuidados de saúde em aproximadamente 80 países e regiões.

Para mais informações, acesse https://www.takeda.com.

Aviso importante
Para os fins deste aviso, “comunicadoàimprensa” significa este documento, qualquer apresentação oral, qualquer sessão de perguntas e respostas e qualquer material escrito ou oral discutido ou distribuído pela Takeda Pharmaceutical Company Limited (“Takeda”) em relação a este comunicado. Este comunicadoàimprensa (incluindo instruções orais e perguntas e respostas relacionadas a ele) não se destina a, e não constitui, representa ou faz parte de qualquer oferta, convite ou solicitação de qualquer oferta de compra, de outro modo, aquisição, assinatura, troca, venda ou alienação de quaisquer valores mobiliários ou a solicitação de qualquer voto ou aprovação em qualquer jurisdição. Nenhuma ação ou outro título está sendo oferecido ao público através deste comunicadoàimprensa. Nenhuma oferta de valores mobiliários deve ser feita nos Estados Unidos, exceto nos termos de registro no âmbito da Lei de Valores Mobiliários dos EUA de 1933, conforme alterada, ou uma isenção da mesma. Este comunicadoàimprensa está sendo fornecido (juntamente com qualquer informação adicional que possa ser fornecida ao destinatário) com a condição de que seja utilizado pelo destinatário apenas para fins informativos (e não para a avaliação de qualquer investimento, aquisição, alienação ou qualquer outra transação). Qualquer falha no cumprimento dessas restrições pode constituir uma violação das leis de valores mobiliários aplicáveis.

As empresas nas quais a Takeda detém direta e indiretamente investimentos são entidades separadas. Neste comunicadoàimprensa, “Takeda” é usado algumas vezes por conveniência, quando são feitas referênciasàTakeda e às suas subsidiárias em geral. Da mesma forma, as palavras “nós”, “nos” e “nosso” também são usadas para fazer referência às subsidiárias em geral ou àqueles que trabalham para estas subsidiárias. Estas expressões também são usadas quando nenhum objetivo útil é atendido pela identificação da empresa ou empresas em particular.

Declarações prospectivas
Este comunicadoàimprensa e quaisquer materiais distribuídos em associação com este comunicado podem conter declarações prospectivas, crenças ou opiniões relacionadas aos negócios futuros, posição futura e resultados de operações da Takeda, que incluem estimativas, previsões, metas e planos para a Takeda. Sem limitação, as declarações prospectivas frequentemente incluem palavras como “metas”, “planos”, “crenças”, “esperanças”, “continua”, “espera”, “almeja”, “pretende”, “garante”, “irá”, “pode”, “deverá”, “iria”, “poderá” “antecipa”, “estima”, “projeta” ou palavras ou termos de substância semelhante, ou o seu antônimo. Declarações prospectivas neste documento são baseadas nas estimativas e suposições da Takeda somente a partir da data deste documento. Essas declarações prospectivas não representam qualquer garantia da Takeda ou de seu gerenciamento de desempenho futuro, e envolvem riscos conhecidos e desconhecidos, incertezas e outros fatores, incluindo, mas não se limitando a: as circunstâncias econômicas que envolvem os negócios globais da Takeda, incluindo condições econômicas gerais no Japão e nos Estados Unidos; pressões e desenvolvimentos competitivos; alterações em leis e regulamentos aplicáveis; o sucesso ou fracasso dos programas de desenvolvimento de produtos; decisões das autoridades reguladoras e a sua época; mudanças nas taxas de juros e de câmbio; reclamações ou preocupações relacionadasàsegurança ou eficácia de produtos comercializados ou produtos candidatos; o momento e o impacto dos esforços de integração pós-fusão com empresas adquiridas; e a capacidade de alienar ativos que não são essenciais para as operações da Takeda e o momento de qualquer desinvestimento, qualquer um dos quais pode fazer com que os resultados, desempenho, realizações ou posição financeira reais da Takeda sejam materialmente diferentes de quaisquer resultados futuros, desempenho, realizações ou posição financeira expressa ou implícita nessas declarações prospectivas. Para obter mais informações sobre esses e outros fatores que podem afetar os resultados, desempenho, realizações ou posição financeira da Takeda, consulte o “Item 3. Informações importantes—D. Fatores de risco” no relatório anual mais recente da Takeda no formulário 20-F e outros relatórios da Takeda arquivados juntaàComissão de Valores Mobiliários dos EUA, disponível no site da Takeda em: https://www.takeda.com/investors/reports/sec-filings/ ou em www.sec.gov. Resultados futuros, desempenho, realizações ou posição financeira da Takeda podem diferir materialmente daqueles expressos ou implícitos nas declarações prospectivas. Pessoas que recebem este comunicado de imprensa não devem confiar indevidamente em quaisquer declarações prospectivas. A Takeda não assume nenhuma obrigação de atualizar qualquer uma das declarações prospectivas contidas neste comunicadoàimprensa ou quaisquer outras declarações prospectivas que possa fazer, exceto quando exigido por lei ou regra da bolsa de valores. O desempenho passado não é um indicador de resultados futuros, e os resultados da Takeda neste comunicadoàimprensa podem não ser indicativos e não são uma estimativa, previsão ou projeção dos resultados futuros da Takeda.


1 Organização Mundial de Saúde. Dados globais mais recentes sobre o câncer. https://www.who.int/cancer/PRGlobocanFinal.pdf. Acessado em 11 de maio de 2019.
2 American Cancer Society. What is Non-Small Cell Lung Cancer? https://www.cancer.org/cancer/non-small-cell-lung-cancer/about/what-is-non-small-cell-lung-cancer.html. Acessado em 11 de maio de 2019.
3 Kris MG, et al. JAMA, 2014;311:1998-2006.
4 Gainor JF, Varghese AM, Ou SH, et al. Clin Cancer Res. 2013;19(15):4273-81.
5 Koivunen JP, Mermel C, Zejnullahu K, et al. Clin Cancer Res. 2008; 14(13):4275-83.
6 Wong DW, Leung EL, So KK, et al. Cancer. 2009; 115(8):1723-33.
7 Chia PL, Mitchell P, Dobrovic A, John T. Clin Epidemiol, 2014;6:423-432.

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.


Contato:

Takeda Pharmaceutical Company Limited

Mídia japonesa

Kazumi Kobayashi

kazumi.kobayashi@takeda.com

+81 (0) 3-3278-2095

Mídia fora do Japão

Lauren Padovan

lauren.padovan@takeda.com

+1-617-444-1419


Fonte: BUSINESS WIRE
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »