01/07/2022 às 15h37min - Atualizada em 01/07/2022 às 18h35min

Consumidores lesados pelo Dieselgate podem receber direitos creditórios imediatamente

Negociação é feita em plataforma digital de forma rápida, prática e segura; dinheiro cai na conta em até 48h.

SALA DA NOTÍCIA Tatiana Andrade de Lima
Bando de imagem.
Os donos da pick-up Amarok fabricadas entre 2011 e 2015, lesados pelo escândalo Dieselgate, podem vender seus direitos creditórios à Regera, plataforma digital independente especializada na aquisição e gestão de direitos creditórios de baixo valor. A empresa atua no mercado há quatro anos e já adquiriu o direito de três mil consumidores nesse período.
A vantagem para o consumidor é o recebimento imediato pelo direito creditório originado sem que seja necessário aguardar pela conclusão da justiça. A montadora já foi condenada em outros países do mundo por fraudar os testes de emissão de poluentes por meio de um software.
O processo de compra de direitos creditórios pela Regera é realizado de forma simples, prática e segura. O consumidor interessado em vender o seu direito se habilita na plataforma digital www.regera.vc e escolhe receber agora ou no final da ação.
“Muitas vezes o consumidor é surpreendido ao saber que pode vender um crédito que não sabia ou sem a previsão de quando ou vai se receber. Oferecemos um modelo tão inovador que muitas vezes o consumidor acha que é um golpe para pegar seus dados ou alguma surpresa no futuro”, afirma Bruno Dollo, executivo da Regera.

Compra dos Direitos

O consumidor escolhe receber um valor à vista, hoje precificado em R$ 1.540,00 e pago em até 30 dias, ou 70 % do valor da indenização ao final da ação na justiça, que pode passar de uma década, em caso de decisão favorável. No modelo de negócio a Regera faz a gestão do crédito e se responsabiliza por todas as suas etapas, assumindo todo o risco financeiro de ponta a ponta. Não há desembolso por parte do consumidor.
Dieselgate
Em 2015, a Volkswagen admitiu a instalação deliberada de um dispositivo que mascara os resultados da emissão do óxido de nitrogênio NOx, afetando mais de 11 milhões de veículos no mundo. No Brasil foram mais de 17 mil veículos comprovadamente reconhecidos até então pela montadora e existe uma série de indícios de que os veículos de 2012 a 2015 também possuam o software, aumentando esse número para mais de 200 mil veículos.
Em laboratório, durante testes, o carro soltava menos poluentes, pois o dispositivo mapeava a posição do volante e ritmo de rolagem das rodas, identificando se tratar de um ambiente controlado, dando à montadora a chancela de órgão de fiscalização quanto à aderência do veículo à legislação ambiental vigente. Já durante o uso nas ruas, o software se desligava, fazendo com que a emissão ficasse acima do que havia sido mensurado gerando um maior consumo de combustível, menor torque, aumento no gasto com manutenção e perda de valor do veículo no momento de revenda.

Sobre a Regera
Fundada em 2018, a Regera é a primeira plataforma digital independente focada na aquisição e gestão de créditos e direitos de consumidores. Desenvolveu um modelo inovador para gerar impacto positivo e receita para consumidores em escala, oferecendo um retorno financeiro de forma transparente e segura. Com sua atuação reduz a burocracia, assume o risco e antecipa o recurso para os consumidores.

A empresa já trabalhou com três causas: Sabesp (Tarifa de Contingência), Volkswagen (Dieselgate) e ICMS da Conta de Luz, conseguindo mais de 10 mil contratos assinados, tendo antecipado recursos para mais de 1.000 consumidores lesados pela fraude do Dieselgate (Volkswagen). Para os próximos meses planeja entrar nos mercados de telecomunicações e ampliar sua presença no setor automotivo.

www.regera.vc
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »