10/11/2021 às 22h13min - Atualizada em 10/11/2021 às 22h03min

Início da era Quartararo ou retorno de Marc Márquez

carlos alberto goldani - stilohouse.com.br
O aguardado retorno de Marc Márquez sofreu um forte abalo com sua ausência no GP realizado em Portimão. Uma queda durante um treino com motocross interrompeu seu melhor momento esportivo após sua volta às competições.
 
Se forem considerados apenas os resultados dos últimos 4 GPs que antecederam a etapa de Portimão, o piloto da Repsol Honda estaria entre os líderes do Mundial de MotoGP, como resultado de um 2º lugar em Aragon, 4º em Misano 1, e suas 2 vitórias consecutivas em Austin e Misano 2. O triunfo em 24 de outubro em Misano foi especialmente relevante por ter sido obtido em um circuito com sentido horário, com um número maior de curvas para a direita, que exigem mais de seu braço em processo de recuperação. Depois de 265 de inatividade devido ao acidente em Jerez e as recaídas subsequentes, Márquez passou por um período de readaptação com a moto e suas condições ainda que não totais pareciam estar recuperadas. Márquez se apresentava como sério candidato para reconquistar o título em 2022.
 
As repercussões do acidente de Márquez são mais amplas que o diagnóstico inicial sugeria. O 8 vezes campeão da MotoGP perdeu a etapa de Portimão e vai ficar ausente do final da temporada neste fim-de-semana em Valência e dos testes programados para Jerez devido a problemas de visão. Márquez, que sofreu o acidente há dez dias, foi reexaminado por médicos na segunda-feira passada (08/11), que identificaram um “novo episódio de diplopia”, visão dupla, o mesmo problema que o retirou da disputa do título da Moto2 em 2011.
 
Um comunicado oficial da Repsol Honda informa que o piloto, além de já ter ficado ausente da etapa de Portimão, não vai participar no Grande Prémio de Valência no próximo fim-de-semana, nem no Teste IRTA Jerez agendado para 18 e 19 de novembro. Depois que Marquez foi submetido a um exame médico abrangente na Clínica Dexeus de Barcelona na última terça-feira, no qual foi avaliado depois de uma queda enquanto praticava off-road, o piloto tem descansado a semana toda em sua residência particular. Durante estes dias de descanso, Marc continuou experimentando mal-estar e problemas de visão. No exame o oftalmologista Dr. Sánchez Dalmau do Hospital Clínic de Barcelona, detectou um novo episódio de diplopia.
 
Em nota divulgada para a imprensa o Dr. Sanchez Dalmau informa: “O exame realizado em Marc Marquez hoje após o acidente que ocorreu confirmou que o piloto tem diplopia e revelou uma paralisia do quarto nervo direito com envolvimento do músculo oblíquo superior direito. Optou-se por um tratamento conservador, inicialmente só repouso, procedimento cirúrgico ainda não é recomendado. Deve haver um acompanhamento periódico para analisar a evolução clínica. Este quarto nervo direito é o mesmo lesado em 2011.”
 


Musculatura do olho
 

Márquez será substituído pelo piloto de testes Stefan Bradl, que assumiu o lugar do 8 vezes campeão mundial em Portimão. A ausência do espanhol é a quarta corrida de MotoGP que ele perde este ano, seu foco agora migrou para a recuperação física total para a temporada de 2022. Sobre o episódio, Márquez se posicionou em uma rede social: “São momentos difíceis, parece que comigo sempre que chove é tempestade. Depois de visitar o Dr. Sánchez Dalmau, um novo episódio de diplopia (visão dupla) foi confirmado, como em 2011. Precisamos de paciência, mas se aprendi uma coisa é enfrentar a adversidade com otimismo. Obrigado pelo seu apoio”!
 
Depois do obscurantismo da informação que cercou sua longa recuperação do úmero, a dúvida sobre a real condição do piloto é uma posição prudente e razoável. "Felizmente, parece não ter sido nada sério", opinou o Dr. Michele Zasa, diretor da Clínica Móvel do Campeonato Mundial de MotoGP para a “'La Gazzetta del Sport”, sobre o último revés que Márquez sofreu. Algumas palavras de grande tranquilidade, o piloto não sofreu novos danos no braço após a queda enquanto praticava motocross. O maior prejuízo previsivelmente é da Honda nos testes com a máquina 2022, que só poderá contar com o piloto após o inverno europeu.
 
O grande problema da Honda é que, além de uma moto muito mais equilibrada e ao nível das outras marcas, a equipe precisa de seu campeão na melhor forma física possível. Uma pergunta recorrente é se Marc voltará a ser o um ponto fora da curva no universo dos pilotos, embora ele já tenha deixado indícios de que será possível. O Dr. Zasa está otimista. “Talvez não no mesmo nível de agressividade, não sendo aquele alienígena que muitos exaltaram, mas como um campeão mais humano, um mortal como todos os outros do grid”.
 
"Na verdade, eu acho que ele está de volta. As vitórias na pista este ano deixam isso claro. A situação do braço e do ombro pode não ser 100%, mas graças à sua criatividade, sua genialidade, sua habilidade de se adaptar a pilotar motocicletas... ele já encontrou uma solução. A sensação é que ele pode voltar a ser um campeão um pouco mais normal, se é que pode ser classificado desta forma. Talvez ele não seja mais um canibal", acrescenta o médico italiano. É apenas mais uma opinião e só o tempo determinará o nível que Marc será capaz de alcançar.
 


Comemoração do 1º mundial de Valentino Rossi
 

22 anos após a conquista de seu primeiro título, Valentino Rossi viu seu fã Fabio Quartararo se consolidar como futuro da MotoGP e se sagrar campeão do mundo.  Em outubro de 1999 no GP do Brasil, no antigo Autódromo Internacional Nelson Piquet, desativado e demolido em 2012 para as obras dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016, o italiano de 20 anos conquistou o título da categoria 250cc do Mundial de Motovelocidade.
 
Pilotando uma Aprilia venceu a prova no Brasil e carimbou o seu acesso à então 500cc, atual MotoGP. Inaugurando um procedimento que evoluiu para ser sua marca registrada durante a sua carreira, Valentino inovou na comemoração e levou em sua garupa um compatriota vestido de anjo para dar uma volta pelo extinto circuito.
 
Fábio Quartararo nasceu 6 meses antes do primeiro título de Valentino. O francês se consagrou em outubro de 2021 campeão da MotoGP aos 22 anos, a mesma idade com a qual Rossi ganhou seu primeiro título na principal categoria da motovelocidade.
 
Na prova disputada em Misano no GP da Emilia-Romagna, Quartararo escreveu seu nome entre os campeões do mundo, enquanto o velho campeão se despediu dos fãs italianos. No próximo fim de semana, em Valência, Rossi disputa a sua última prova na MotoGP antes de sua aposentadoria.
 
22 anos após a conquista de seu primeiro título, Valentino Rossi testemunhou seu antigo fã Fabio Quartararo se consolidar como futuro da MotoGP e conquistar o título mundial da temporada de 2021.
 
A passagem de bastão está completa.



Fábio Quartararo – Campeão do MotoGP 2021
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »