22/01/2021 às 09h52min - Atualizada em 22/01/2021 às 09h32min

Tem método

Carlos Alberto Goldani - stilohouse.com.br

 

A macro estratégia foi importada do futebol, “não se mexe em time que está ganhando”. Marc Márquez segue esta orientação à risca. Se examinar fotos da sua equipe nas 8 temporadas que já disputou na MotoGP, é fácil perceber que os rostos são sempre os mesmos.

Ao contrário de grandes campeões como Giacomo Agostini e Valentino Rossi, que disputam com ele os grandes números da categoria, a equipe de apoio de Marc Márquez praticamente não muda desde a Moto2, e o piloto espanhol se esforça para continuar assim, dentro e fora das pistas.Ele já não tem mais o comportamento de um garoto deslumbrado que inicou na MotoGP em 2013 a disputa com seus ídolos, com o tempo ele ficou mais experiente, porém a sua atitude é a mesma. 

Quando substituiu Casey Stoner na Repsol-Honda, insistiu em trazer a equipe da Moto2, depois disto raramente o grupo foi alterado. Talvez isto explique porque houve tanta surpresa quando seu especialista em eletrônica e telemetria, Gerold Bucher, que encerrou seu contrato de 25 anos com a HRC, foi substituído por Jenny Anderson, uma profissional em ascensão que trabalhava com Pol Espargaro na KTM. Jenny é a primeira mulher na linha de frente da equipe do campeão.


Marc Márquez & Jenny Anderson
 
Enquanto outros pilotos viajam acompanhados de amigos, assessores mais próximos ou de suas famílias, Márquez prefere a companhia da sua equipe. Passam o tempo todo juntos, fazem as refeições juntos e, se possível, se divertem juntos. Em verdade, só abandona a equipe para cumprir seus múltiplos compromissos promocionais de piloto.

Durante a temporada europeia, quando viagens aéreas não são necessárias, Marc reside em um motor-home que é dirigido por seu pai Julià, e estaciona no paddock ao lado de veículos de outros pilotos. O carro dos Márquez (Marc e Álex) é um dos mais simples, e contrasta com veículos de  design mais arrojado como o do piloto Maverick Vinales.

 
Motor home de Márquez (E) e Vinales (D)

Márquez tem contrato até 2024 com a Honda e trabalha com perfeita sintonia com o fabricante espanhol, embora a sua renovação em 2015/2016 tenha demorado mais que o razoável. Nunca houve nenhuma reclamação pública endereçada à performance do equipamento e, se desacertos acontecem, são resolvidos intramuros, fora do alcance da mídia. Marc Márquez deve seguir o exemplo de Mick Doohan, desenvolver toda a sua carreira na Repsol-Honda.
 
A história mostra que esta é a melhor maneira de garantir títulos. Pode não ser o modo mais emocionante, mas certamente é uma ideia vencedora, consistente com a fome de vitórias do piloto espanhol. Os precedentes parecem concordar com este conceito, Agostini viu o ocaso de seu reinado quando foi ameaçado por Phil Read no MV Augusta e partiu para a Yamaha em 1974. Rossi parou com os títulos ao ser derrotado por Lorenzo em 2010, optou por mudar para a Ducati. Ambos também viveram episódios fora da pista que desestabilizaram suas sequências de vitórias, Márquez mantém a sua vida privada controlada, Agostini teve que suportar a perseguição da imprensa sensacionalista (paparazzi) por sua intensa vida afetiva e Rossi, entre outras coisas, morou algum tempo para Londres e foi envolvido em uma fraude fiscal em 2007, que foi resolvida com o pagamento de uma pesada multa.

Ambos os problemas parecem estar longe de ser uma ameaça para Márquez. Embora tenha tido uma breve relação afetiva com a modelo espanhola Lucía Rivera, antes, durante e depois deste período manteve a sua vida simples e discreta. Os dois só apareciam juntos em ocasiões sociais obrigatórias e evitavam badalações da imprensa. Após uma tentativa não bem-sucedida de mudar seu domicilio fiscal para Andorra em 2014, Márquez acatou a tributação espanhola e construiu uma grande casa em sua cidade natal (Cervera, Catalunha), onde vive com a família. Montou uma academia particular onde pratica exercícios físicos na companhia de seu irmão e mantém suas motos de treinamento. Desde seu cabeleireiro - que nunca muda seu visual - até as caminhadas com o irmão, há rotinas que mantém desde criança. 

Marc Márquez nunca muda nada.

Nas entrevistas após as provas até 2019 era sempre um dos últimos a deixar o ambiente reservado para a atender a imprensa, nunca demonstrando enfado ou cansaço, atendendo todos com boa vontade.

Cultiva o visual “clean”, não ostenta tatuagens, sua indumentária está sempre bem composta (diferente do estilo propositadamente desleixado de alguns outros pilotos) e a face glabra. Em comemorações de vitórias evita provocar desafetos e mantém distância dos movimentos políticos separatistas na Espanha, desfilando com a bandeira vermelha contendo o seu número 93, não tomando partido entre a entidade federativa e a Catalunha. Para desespero de seus adversários, Márquez dificilmente muda os hábitos, e um deles é vencer.

 A temporada de 2020 foi a exceção que confirma a regra, se ele voltar inteiro em 2021 a única discussão em aberto na MotoGP é quem vai ser o vice.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »